quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Em um Mundo Paralelo talvez...

Algumas vezes começo a acreditar que sou bipolar, costumo ser muito eclética e tenho gosto bastante variado, por ter uma ânsia enorme de conhecimento e buscar informações o tempo todo. Sou extrovertida e em diversas oportunidades uma palhaça. Já outros momentos me fazem estar completamente imersa em outro universo, como se não houvesse ninguém ao meu redor, desejando que realmente não haja. 
Dias como o de hoje, nublados, frios e chuvosos trazem consigo um sentimento estranho, vontade de isolamento e a gente sempre encontra uma forma de ficar imerso no nada dentro do seu próprio mundo, tanto ouvir musica quanto ler um livro me transporta para uma realidade paralela onde posso ignorar tudo que me incomoda e me afundar em um paraíso em que tenho tudo que quero, experimento novas aventuras e coisas que somente uma boa leitura pode me fazer sentir.
Queria ser capaz de entender o porquê de todas essas coisas e sentimentos que nos envolvem e levam a lugares antes desconhecidos. Queria entender como pode algo tão pequeno e talvez insignificante representar tanto pra mim, ao mesmo tempo em que se eu entender o por que das coisas e dos caminhos que seguimos ou encontrar as respostas para tantas perguntas complexas a vida perca o seu real sentido que é o da descoberta. Seria o destino? Um plano já traçado por Deus? De verdade não sei, nunca acreditei em destino. Pois se ele realmente existir estaríamos eternamente presos a uma vida que não planejamos e assim então não existiria aquele tal de livre arbítrio. Tudo bem chega de questionar, esta ficando complexo e conspiratório demais.
É só que dias assim me fazem sentir tão estranha, me isolo do mundo e fico imersa na minha própria realidade e com minhas próprias palavras e esse meu jeito meio exagerado e bem 8 e 80 me coloca para baixo na mesma intensidade de quando estou bem.  Isso explica o sentimento de descontrole e necessidade de atenção, não que seja sempre assim, mas tem dias que acordamos fora do normal, entramos em um buraco fundo e nos escondemos do mundo e nem sempre estar calada significa que estou triste, talvez seja apenas um período de reflexão e um momento em que preciso me fechar e entender o que realmente preciso...
Preciso me calar para ouvir o que meu interior tem a dizer!

2 comentários:

  1. Ah sei como é esse lance de tantos pensamentos contraditórios...
    "Queria entender como pode algo tão pequeno e talvez insignificante representar tanto pra mim" passo por isso constantemente...e tem o lance de sofrer por antecipação também...
    Mas sabe acho que todos nós ás vezes estamos bem consigo mesmos e ás vezes não..é uma dualidade natural.
    Ah curti sua forma de escrever..te seguindo! Vi que é paulistana, também sou! Se possivel, poderiamos trocar idéias!
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, é eu sei bem como funciona essa constante dualidade em que vivemos e acredito que todos sejamos dessa forma rs.. sim adoraria trocar ideia, gosto muito de conhecer pessoas novas!

    ResponderExcluir